Diplomados driblam desemprego pegando postos do pessoal do ensino médio

Pessoal com formação superior tem 2,5 vezes mais chances de arrumar ocupação, mas inferior às suas qualificações

Não é raro encontrar motorista de Uber ou vendedores que possuam curso superior. A estagnação econômica está levando profissionais qualificados a ocuparem funções mais baixas, tomando lugares que seriam para trabalhadores menos instruídos.  Os doutores diplomados estão pegando qualquer serviço para escapar do desemprego. E por isso constituem o menor segmento por escolaridade entre os 13 milhões de desempregados brasileiros, segundo os dados do IBGE. 

O fantasma do desemprego bateu à porta de 8,6% das pessoas que têm ensino universitário. Já entre os  que possuem o ensino médio incompleto, a taxa de desemprego chega a 22,1%. Comparando os índices, a conclusão é óbvia: o drama da falta de trabalho é mais de 2,5 vezes pior para os menos qualificados. Ou, com outras palavras, os que têm diploma superior tem 2,5 vezes mais chances de arrumar uma ocupação, ainda que inferior à sua qualificação. 

O Ipea tem um trabalho que analisa a situação do mercado de trabalho e o fenômeno da migração da mão de obra universitária para postos de trabalho menos qualificados. “Esse desvio de função ocorre porque as pessoas com maior nível de escolaridade, em momentos de empregos escassos, têm mais chances de concorrer com os demais”, observa o pesquisador em mercado de trabalho, Mário Rodart, do departamento de economia da UFMG. Ele acrescenta que a única solução para a melhora da economia, consequentemente do desemprego, é o maciço investimento em educação. “Quanto mais instrução, mais produtivo é o trabalho, fato que é substancialmente bom para a economia”, afirma Mário.

Marcelo Gomes é jornalista em formação pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH). Apaixonado por política, não vê outra possibilidade de mudança social a não ser por ela. Já trabalhou em rádio e escreve para portais e revistas. Tem experiência em processos legislativos e em questões econômicas. [ Ver todas as publicações ]

Comentários

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ir Para o TOPO