Privatização da Cemig já pode ocorrer; Copasa ainda é incerta

No caso da companhia de energia, presidente afirma não haver outro caminho para ela a não ser sua entrega à iniciativa privada

A Cemig e a Copasa são algumas das empresas estatais cuja venda o governo federal está impondo  a Minas para entrar no Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Nesta segunda-feira (10/06), durante a prestação de contas do governo mineiro na Assembleia, o presidente da Cemig Cledorvino Belini defendeu a privatização da companhia de energia. Já a presidente da Copasa, Sinara Meireles, indicou que essa não é a melhor saída para sua empresa.

Segundo Sinara, a Copasa é responsável por atender 589 municípios e desses, cerca de 200 dão lucro à empresa. Ou seja, questiona-se a viabilidade da privatização da estatal, se seria um bom negócio. Além disso, em cada uma das cidades onde atua a empresa, há um contrato com a prefeitura local para explorar ou comercializar a água, o que dificultaria para um possível futuro dono, que herdaria uma carga enorme de contratos sob sua responsabilidade.

Em relação à Cemig, conforme destacou seu presidente, Cledorvino Belini, não haveria outro caminho  se não a privatização. Conforme explicou, para os próximos 10 anos seriam necessários R$ 21 bilhões para ela se manter. R$ 6 bilhões a própria empresa teria condições de aportar, os outros R$ 15 caberiam ao Estado. Porém, levando em conta sua situação de penúria, o sócio estatal não conseguiria capitalizar a empresa. Portanto, na avaliação de Belini, seria oportuno entregar a Cemig ao capital privado, que teria condições de aportar os recursos que ela precisa.  

A grande pedra no caminho de Zema para as privatizações é o referendo popular que a Constituição Estadual exige.

Marcelo Gomes é jornalista em formação pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH). Apaixonado por política, não vê outra possibilidade de mudança social a não ser por ela. Já trabalhou em rádio e escreve para portais e revistas. Tem experiência em processos legislativos e em questões econômicas. [ Ver todas as publicações ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Dum 13 de junho de 2019 13:19

    Eu tenho 20 anos de Cemig, esse presidente 3 meses. Eu nunca vi a Cemig pedir dinheiro ao estado, acontece exatamente o contrário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ir Para o TOPO