Partido Novo luta pelos interesses de seu presidente banqueiro

Deputados novistas querem derrubar parte da reforma da previdência que aumenta tributação dos bancos

O texto da reforma da Previdência que segue para a Comissão Especial na semana que vem tem pelo menos um momento em que, ao invés de penalizar apenas os pobres, pede a colaboração dos poderosos. Trata-se do aumento, de 15% para 20%, da alíquota sobre a CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido) dos bancos, o que geraria uma receita de R$ 50 bilhões em dez anos.

 

Mas parece que nem isso vai entrar, graças ao partido Novo, que pretende derrubar o aumento antes mesmo da discussão chegar ao plenário, rompendo assim um trato com o governo de não prolongar a conversa na comissão especial.

 

Nada a estranhar, para uma sigla que teve como candidato à presidente o banqueiro João Amoedo. Quem sai aos seus, não degenera. Ou não regenera.

 

 

Comentários

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ir Para o TOPO