Notas de Márcio Fagundes

Um toco para chamar de seu…

Uma infinidade de tocos se espalha por Belo Horizonte. É a prova do total desprezo da municipalidade pela estética urbana. Cortar e recolher as toras de uma árvore, guilhotinada por motosserra, é fácil e lucrativo. Difícil, mesmo, é desentocar sua raiz e acertar novamente as bordas do passeio e do canteiro, de preferência com o plantio de outra muda de árvore para desfrute das futuras gerações. Existe maquinário para essa operação. Ele transforma toda essa madeira em serragem. Inexiste, porém, carinho para com Belo Horizonte. Aqui, foram coletados mais de 50 bons (maus) exemplos, apenas em um pequeno trecho no perímetro da Avenida do Contorno e adjacências…
Confira alguns deles, reunidos no álbum abaixo, aqui.
 
 
 

Jornalista há 40 anos, trabalhou no Diário de Minas, Jornal de Minas, Tribuna de Minas, O Globo, Folha de SP, Mercado Comum, Hoje em Dia, Câmara de BH, Governo de Minas e MP de Contas. Ciclista, pedestre, leitor, nadador, cinéfilo, empinador de papagaio, artista plástico e remetente de cartas e cartões selados [ Ver todas as publicações ]

Comentários

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ir Para o TOPO